NOSSA SENHORA DO CARMO - IGREJA


Fala galera!

 

Nessa matéria conheceremos a Igreja Nossa Senhora do Carmo, importante exemplar da arte Rococó no Brasil que, traz consigo um acervo de artistas renomados como Manuel Francisco Lisboa, Aleijadinho, Mestre Ataíde, Francisco de Lima Cerqueira, , João Nepomuceno Correia e Angelo Clerici.

É certamente parada obrigatória para os bons amantes da história e conhecimento.

Sua localização é de fácil acesso, está instalada ao lado do Museu da Inconfidência, que por sua vez está de frente a praça Tiradentes (ambos destacados em amarelo) bem no centro da cidade.

Observação para o Museu do Oratório (clique e veja amatéria completa) instalado no adro da Igreja, bem ao seu lado, destacada em vermelho.

 

Os irmãos terceiros da Ordem do Carmo do Rio de Janeiro, assim como de Portugal e de outras partes do Brasil, transferiram-se para Ouro Preto (antiga Vila Rica), idealizaram o início da obra, pois estavam sem templo próprio para suas devoções.

A obra de construção da igreja foi iniciada em 1766 e inúmeras vezes interrompida em virtude de atritos entre os idealizadores e a Irmandade de Santa Quitéria, doadora do terreno em questão. Esta obra estendeu-se pelo resto do século XVIII e pelo século XIX, sendo concluída no início do século XX, em 1908, com as pinturas do forro da nave e da capela-mor.

A estrutura da Igreja possui feições típicas do Rococó, estilo caracterizado por manifestar delicadeza, elegância, sensualidade e graça, e na preferência por temas leves e sentimentais, onde a linha curva, as cores claras e assimetria tinham um papel fundamental na composição da obra.

Podemos perceber tais detalhes na fachada que possui uma suave curvatura, com uma grande porta central coroada por uma composição ornamental em pedra-sabão entalhada, mostrando o brasão da Ordem do Carmo ladeado por dois querubins e encimado pela cabeça da Virgem que sustenta a coroa.

 

As duas torres sineiras nas laterais têm uma base de seção quadrada, nos trechos superiores se transforma em uma seção quase circular, arrematadas por coruchéus (arremate pontiagudo que cobre as partes elevadas da edificação) em forma de sino, encimados por pináculos em forma de obelisco. As fachadas laterais têm uma série regular de janelas com verga em arco, sendo quatro janelas elevadas a iluminar a nave, cinco janelas elevadas sobre as quais são abertos quatro óculos desencontrados a iluminar a capela-mor, três janelas baixas a iluminar o corredor que leva a sacristia, seguidas de mais duas janelas a iluminar a sacristia (contagem da direita para a esquerda em relação a foto abaixo).

 

O interior é dividido em duas partes, uma nave única e uma capela-mor.

A nave possui seis altares laterais, cada um seguido por uma janela superior inserida no lugar das tradicionais tribunas. Cada altar possui uma Estátua de Roca vestida com trajes de tecido e, que poderiam ser destinadas a serem levadas em procissões.

O teto é de tabuado corrido com ondulação em forma de canga, pintura obra do italiano Angelo Clerici. A parede do arco do cruzeiro (interseção da nave com a capela-mor) é chanfrada em três partes dispostas em ângulo. Nestes ângulos se abrem portas para corredores que levam à sacristia, localizada nos fundos do edifício, atrás da capela-mor.

 

Na capela-mor mantem-se as tribunas ladeando o altar. O teto tem a forma de duas abóbadas (construção em forma de arco) e a pintura também é obra do italiano Angelo Clerici. Nos altares de São João e Nossa Senhora da Piedade, Aleijadinho procurou respeitar o estilo dos precedentes, adotando, entretanto, as colunas caneladas, envolvidas por guirlanda em espiral e capitéis em rocaille. As urnas desses dois altares apresentam relevos esculpidos que constituem talvez os últimos trabalhos de Aleijadinho no gênero.

Detalhe para os belos painéis de azulejos que decoram os registros inferiores das paredes da capela-mor, ilustrando temas relativos à iconografia da Ordem do Carmo.

 

No fundo do edifício encontramos a sacristia, fazendo jus a toda arte dedicada à Igreja, nela também encontramos detalhes únicos como o teto inteiramente pintado, sua autoria ainda é um mistério pois, não consta o nome do pintor. Alguns estudiosos atribuem a pintura a Manuel Ribeiro Rosa. Encontramos também um lavabo esculpido por Aleijadinho e o espelho de cristal da Boémia (variedade de cristal fabricada na região da Boémia, atual República Tcheca).

 

Observação:

  • Temos certeza que, durante a visitação, irão descobrir inúmeras curiosidades e encontrar detalhes por nós não citados. A Igreja é tanto na arquitetura, quanto na decoração, para os olhares atentos, garantia de contentamento e obtenção de novos conhecimentos sobre nossa história.
  • É permitido fotografar com aparelho celular "sem flash".

 

Agradecimentos:

  • Agradecemos ao apoio e cordialidade com que a equipe da Igreja nos recebeu, em especial ao Manoel Paulo.
  • Agradecemos também a Secretaria de Turismo da Prefeitura Municipal de Ouro Preto, abrindo as portas dos atrativos turísticos para que possamos mostrar sua grandiosidade para todos que nos acompanham.

 

Informações importantes:

  • Entrada: R$3,00, gratuito para crianças com até 12 anos, religiosos, professores, residentes e estudantes de Ouro Preto.
  • Horários de funcionamento: de segunda-feira a domingo, das 8:30 às 11:20 horas, e das 13:00 às 16:50 horas. Domingo, das 10:00 às 14:50 horas.
  • As missas ocorrem todos os domingos às 8:30 horas (não há cobrança de taxa durante as missas).
  • Endereço: Rua Brigadeiro Musqueira, Centro - Ouro Preto
  • Telefone: (31)3551-2601

Facebook - Instagram - Traçar Rota

Seja o primeiro a avaliar!


Adicionar aos favoritos

18 jun 2018


Por Paulo Afonso
Anuncie