FEIRA DE PEDRA SABÃO


Fala Galera!

 

Para iniciarmos este Artigo Turístico faremos uma breve viagem no tempo, relembrando o que este espaço público já vivenciou e para quê já serviu.

Os relatos encontrados da utilização deste espaço iniciam a partir do século XIX, chamado a época de “Largo do Pelourinho”, onde era utilizado por Tropeiros como ponto de chegada para os que aqui residiam e como ponto de parada para os que seguiriam viagem. A praça servia como centro de distribuição e comércio das mercadorias que estes Tropeiros traziam.

O rústico mercado de Tropeiros foi substituído por uma construção neoclássica que abrigou um açougue. Esta edificação foi considerada inapropriada para o local pois, utilizou do espaço público, retirou a vista da Igreja São Francisco de Assis e do conjunto barroco, sendo então demolida em 1945.

Um novo projeto previa o aproveitamento da área na construção de uma praça com calçamento pé-de-moleque e árvores de grande porte de procedência local. O projeto de criação da praça não teve prosseguimento e, em meados de 1970 o espaço foi novamente tomado pelo movimento comercial popular.

Com o fim da atividade dos Tropeiros, o surgimento de automóveis e redes de distribuição melhor organizadas, deu-se início a um novo formato de mercado, desta vez com produtos rurais e industrializados de maior variedade.

A cidade de Ouro Preto recebeu o título de Patrimônio da Humanidade em 1980, dando maior força ao turismo e por consequência aumentando a busca por artefatos, lembrancinhas e souvenirs. Ou seja, os visitantes estavam em busca de objetos característicos da cidade de Ouro Preto e que contivessem um pouco da sua história e arte, seja para decorar sua casa, presentear parentes e amigos, ou para relembrar da bela viagem que um dia fizeram.

Vendo esta oportunidade emergir, vários artesões locais iniciaram a confecção de peças que atendessem este público tão promissor. No início, cada um dos artesão produzia com um material que mais o agradara, mas logo depararam com dificuldade de fornecimento da matéria-prima nobre, migrando rapidamente para uma matéria de menor nobreza mas que atende todas as especificidades da arte, que são: fácil acesso, valor financeiro moderado, baixa dureza, fácil pigmentação, propriedades térmicas, dentre outras.

O ponto que mais chamou atenção dos artesões para esta matéria prima e que os uni até hoje é a produção local, sendo a pedra sabão extraída em um distrito chamado Santa Rita de Ouro Preto, a 29 km do centro da cidade.

Atualmente o espaço é chamado de “Largo de Coimbra” onde recebe a exposição permanente da “Feira de Pedra Sabão”, possibilitando aos visitantes levarem para casa um real pedaço da cidade, literalmente extraído de suas rochas e trabalhado pelos seus artistas. Hoje temos a junção perfeita!

 

Localização:

Fator que contribui para alta taxa de visitação é sua localização privilegiada, com fácil acesso, amplo estacionamento, bem no centro histórico da cidade e com a Igreja São Francisco de Assis (clique e veja a matéria completa) bem à sua frente.

Será destino certo para os turistas que passeiam à pé pois, está a apenas 130 metros (2 minutos) da Praça Tiradentes.

Abaixo estão todos os atrativos turísticos que nós da Tour Ouro Preto já visitamos e criamos Artigos Turísticos apresentando tudo que o visitante irá encontrar. Aproveite para descobrir o que Ouro Preto tem a oferecer!

 

A Feira de Artesanato:

É mais conhecida como “Feira de Pedra Sabão” devido ao grande número de peças feitas com esta matéria prima, razão pela qual já explicamos anteriormente, embora encontremos enorme variedade de itens com materiais de construção e formatos variados, todos buscando atrair a atenção dos visitantes.

A maioria dos itens construídos em pedra sabão são provenientes do distrito de Santa Rita de Ouro Preto, detentora de grande parte da extração e beneficiamento deste material. Já o acabamento recebe a mão do artesão que as vende na praça, com sorte podemos passear pela feira e perceber alguns deles trabalhando as peças e dando mais cor e vida a elas.

Devemos ter atenção também aos pintores que apresentam seus trabalhos na esquina entre a feira de pedra sabão e a Igreja São Francisco de Assis. São belas obras realmente pintadas por eles e que em geral possuem as vistas da cidade histórica como plano de fundo.

 

Observações:

  • Para quem chega até o atrativo de carro, é possível estacionar à frente e nas ruas vizinhas, sendo necessário ter paciência devido ao pequeno número de vagas e quanto a reduzida largura das ruas que circundam.
  • O atrativo está apto a receber grandes grupos de visitantes.
  • Temos certeza que, durante a visitação, irão descobrir inúmeras curiosidades e encontrar detalhes por nós não citados. O atrativo é tanto na sua estrutura, quanto nas suas obras, para os olhares atentos, garantia de contentamento e obtenção de novos conhecimentos sobre nossa história.

 

Agradecimentos:

  • Agradecemos aos artesãos e vendedores que sempre recebem os visitantes com cordialidade e alegria.
  • Agradecemos também a Secretaria de Turismo da Prefeitura Municipal de Ouro Preto, abrindo as portas dos atrativos turísticos e culturais para que possamos mostrar sua grandiosidade para todos que nos acompanham.

 

Informações Importantes:

  • Entrada gratuita.
  • Horários de funcionamento: todos os dias das 08:00 às 19:00 horas.
  • Endereço: Largo do Coimbra, sem número - Centro, Ouro Preto

Facebook - Instagram - Traçar Rota

LOCAIS HISTÓRICOS

 

 

 

Artigos Recentes

mais artigos
29 outubro, 2019
ADRO DA IGREJA NOSSA SENHORA DO CARMO - MIRANTE

Trata-se do Adro (pátio aberto) da Igreja Nossa Senhora do Carmo, que por si só já chama atenção, mas que também possui vista ampla e privilegiada do centro histórico de Ouro Preto.

22 agosto, 2019
CASA DOS INCONFIDENTES - MUSEU
em MUSEUS

Seu acervo remonta uma “casa” do século XVIII, retratando aspectos da relação e privacidade familiar. A Casa apresenta a forma como viviam, como se organizavam e até mesmo o que era luxuoso para a época.

03 julho, 2019
NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS - IGREJA

Esta Igreja é considerada pelos especialistas como a expressão máxima do barroco colonial mineiro, semelhante a ela em Minas Gerais encontramos apenas a Igreja de São Pedro dos Clérigos, em Mariana.