CAMINHO TRONCO - O NASCIMENTO DE OURO PRETO


Fala Galera!

 

Hoje viemos apresentar parte do famoso “Caminho Tronco” de Ouro Preto.

Foi nele que iniciaram as primeiras edificações da cidade, anteriormente chamada de Vila Rica.

Pelo trajeto encontramos casas do século XVIII, igrejas, chafarizes, locais históricos e muito mais.

Passear por estas ruas é quase uma viagem no tempo. Podemos sentir o quanto estamos próximos daqueles que nos precederam e, mais ainda, da história decisiva que construíram para nossa nação. Irão entender melhor esta sensação nas imagens a seguir.

Iniciamos nossa caminhada pela rua Alvarenga. Esta rua é uma das mais antigas da cidade e, seu início está localizado atrás da FAOP (Fundação de Artes de Ouro Preto).

Logo no seu início deparamos com um chafariz. Este possui formato diferente dos habituais pois, se assemelha a um Pelourinho (coluna de pedra colocada num lugar público de uma cidade ou vila onde eram punidos e expostos os criminosos).

Segundo os moradores da região, este chafariz tem a toma d’água tão baixa para que as tropas de animais que chegavam de viagem também pudessem saciar a sede.

Já este chalé, por ser tão simples pode até passar despercebido, mas seus traços revelam a influência do estilo francês marcando a arquitetura das edificações construídas na segunda metade do século XIX.

Esta adorável casa com portão e gradil de ferro datado de 1889, possui a composição da fachada com uso de cimalha (moldura saliente que oculta o telhado) e de ornatos em madeira incrustados na argamassa da sobreverga dos portais, em forma de arabesco. Isto sinaliza a introdução de elementos novos em busca de uma feição mais elaborada à moradia.

Nosso olhar pode passear pelas moradias e encontrar aconchego em todas, cada uma com seu jeitinho.

Nesta rua encontramos tudo, desde casas simples construídas em pau-a-pique, colégio e até igreja!

Igreja Senhor Bom Jesus de Matosinhos.

Obra do artista Aleijadinho, ao centro, almas no purgatório.

Este conjunto de sete casas de parede-meias é incrível. São construídas em adobe e é o único exemplar da cidade com beira-seveira (é um acabamento de parede onde as telhas se apoiam em cima, de boca de telha, constituída por fiadas de telhas engastadas na alvenaria da parede).

Detalhe para a inclinação original da residência.

Praça Padre Lobo com seu Cruzeiro enfeitado para a Festa de Santa Cruz, comemoração cultural local.

Vista para as Igrejas de São José, Nossa Senhora do Carmo e Nossa Senhora das Mercês, no meio disto tudo está o Museu da Inconfidência. Muita igreja para uma vista só!

Esta casa foi residência de Inácio José de Alvarenga Peixoto, advogado, poeta e um dos principais articuladores da Inconfidência Mineira. Em conversa com o atual proprietário, foi revelado que sua restauração será iniciada em breve, o que nos deixa contentes em saber que a comunidade se empenha em preservar partes da nossa história.

Uma parada especial na famosa residência de Antônio Augusto de lima, Governador de Minas Gerais em 1891. Este local também foi a “Botica” do Inconfidente Joaquim José da Silva Xavier, ou como gostamos de chama-lo “Tiradentes”, foi aqui onde trabalhou e ganhou este apelido.

Mais uma parte da nossa história que deve ser olhada com cuidado, notando a singularidade e relevância que este local possui em nossa história como nação.

No meio do caminho encontramos a Igreja do Rosário. Vale uma parada para observar sua arquitetura singular, tomar um gole d’água e tirar algumas fotos!

Continuando o trajeto, pela Rua Getúlio Vargas encontramos a galeria de arte Nello Nuno. Nesta nossa visita estava exposto a obra “A mulher e o lar” de Itamara Ribeiro (entrada gratuita). Vale conferir!

Continuando o trajeto pela rua São José nos deparamos com outro museu, chamado “Casa dos Contos” (exploraremos este local em outro artigo), talvez o mais famoso da cidade (entrada gratuita).

Seguindo pelas duas ruas à esquerda, sendo a primeira de nome Senador Rocha Lagoa e a segunda de nome Conde de Bobadela (famosa Rua Direta), a qual possui o “Museu Casa Guignard” (clique e veja a matéria completa), ambas com destino final a Praça Tiradentes. Está situado ao centro monumento em homenagem ao personagem histórico de mesmo nome da praça.

À frente, imponente, está localizado o “Museu da Inconfidência” (em breve matéria completa).

E por fim, com este maravilhoso pôr-do-sol nos despedimos.

Vale ressaltar que, a caminha sugerida acima tem duração média de 40 minutos, sem contar as paradas para fotos e visita aos três museus encontrados no trajeto. Para ter tempo de sobra, reserve uma tarde para curtir nossa dica e aproveite um dos maravilhosos cafés espalhados pelo caminho.

Para receber mais dicas como esta, inscreva-se no boletim informativo clicando no botão azul logo abaixo.

 

Informações importantes:

 

Tenham um bom passeio e até a próxima!

Seja o primeiro a avaliar!


Adicionar aos favoritos

18 mai 2018


Por Paulo Afonso
Anuncie